Prismah uma percepção filosófica do ato de cantar em clipes

Com mais de vinte anos de carreira, a cantora sorocabana Marcia Mah lança o DVD PRISMAH, onde assina direção, música, roteiro e produção.

Um olhar sobre a percepção filosófica do ato de cantar, em Prismah cada situação da vida é observada como uma forma de canto. Um álbum de clipes, em que a artista faz um mergulho no tema criando músicas que tratam da relação do cantor com a subjetividade, a linguagem e o coletivo, retratando sob uma perspectiva pessoal sua inquietação com a forma que a voz cantada se comunica. Sua formação artística como cantora, atriz e produtora cultural permite que esse voo estético, acústico e filosófico encante desde a primeira audição de PRISMAH, num mergulho que vai muito além do autobiográfico.

O cantar aqui revela mais do que uma simples melodia, procurando afetar no sentido pleno da palavra afeto quem a ouve. Por isso o título “PRISMAH – um olhar sobre o corpo da voz” compara o canto ao prisma sonoro que revela a paleta de emoções humanas, carregando valores ideológicos, estéticos, memórias afetivas e, sobretudo a personalidade da pessoa, daí acreditar no canto como um instrumento de conhecimento que alcança diversos níveis de percepção

“Procurei expressar as diferentes sensações que o canto me provoca, a começar pelas imagens que evocam na relação que tenho com os timbres ligando a emoção as cores, o desdobramento teórico que cada tema envolveu, fizeram desse trabalho um aprendizado ao observar sob diferentes ângulos que a voz cantada revela uma variedade de significados sobre o tempo e espaço de quem a expressa. Cantar nos faz conhecer o mundo e a si mesmo”, diz Marcia.

O repertório formado de ritmos brasileiros ganha uma textura híbrida ao flertar com a world music e investe na mestiçagem da MPB através de uma sonoridade contemporânea, a direção e arranjos de Bruno Cavalcante são repletos de camadas e dobras de instrumentos, compondo um painel coeso e colorido. A direção cênica e fotografia são de Ricardo Camargo e tem animação de Daniel Brusson e Vitor Cervi.

 

 

Sinopse do DVD Prismah – Faixa a faixa

  1. Profundo de Mim (maracatu canção)

Aborda o processo de criação artística, associado a ideia de parto de ideias, pensando o canto como sopro de vida, som primeiro conectado a um som universal, como na Teoria das esferas de Pitágoras –– nascimento -sopro de vida – primeira conexão com o mundo o umbigo, reflete a origem da vida e remete a consciência do ego – Cor vermelha – símbolo de vida, luta.

  1. Palavras (funk baião)

Questiona o processo de construção da linguagem, desde figuras pictóricas até a criptografia, citando adágios, frases do cotidiano e a relação do verbo com a melodia – Cor amarela – Criatividade.

  1. Coisas (reggae)

Brinca com a ideia de consumismo convertendo os valores da vida em mercadoria – Cor Verde – tranquilidade, essência, natureza

  1. Odoiá (afro)

Trabalha a ideia de inconsciente através da figura de Iemanjá, mito de sereia cujo canto seduz e faz referência à imensidão do céu e do mar. Fuga da realidade – Cor Azul – desejo de voar ou mergulho nas profundezas das águas.

  1. Relíquia (toada)

Uma fantasia sobre o lirismo da passagem do tempo sobre o amor – Cor Rosa/Púrpura – Afetos, universo feminino.

  1. Medusa (experimental)

A conexão entre sistemas de som, o corpo representado por códigos do sensível e os equipamentos sonoros pelo código binário – Cor Laranja – Energia.

  1. Cosmos Dança (world music)

O canto como elemento do “religare” ao mistério – Cor Lilás – Espiritualidade, cosmogonia.

 

 

Sobre Marcia Mah

Com mais de 20 anos de carreira voltada a projetos artísticos culturais e com formação em Filosofia, Marcia Mah sempre transitou entre diversas linguagens, reunindo dança, artes plásticas, música, história e literatura em suas produções. Com três álbuns solo e participação em outros trabalhos já se apresentou em projetos como Prata da Casa no Sesc Pompéia e em turnê por Portugal.

Saiba mais de Marcia Mah no seu site: marciamah.com.br

 

Assista Marcia Mah ao vivo no Sesc Sorocaba

 

 

 

(Foto Divulgação de Ricardo Camargo)